21
Jan 13

"Se um banco é grande demais para falir, ele é grande demais para ser privado"

Tenho imensas dúvidas que a dívida que hoje temos em mãos, seja mesmo pública, isto é, desgraçadamente há quem afirme categoricamente que cada cidadão usufrui em média muito mais do que o paga, algo que, não me parece justo dizer.

 

Num país onde o rácio custo/benefício entre o que se paga ao Estado e o que dele se recebe é tão grande negativamente, como é possível a retórica dominante contra o Estado Social?

 

Como se as parcerias publico-privadas, os escândalos financeiros, as derrapagens, os desvios e claro, a impunidade, não fossem a esmagadora maioria da dívida "pública".

 

Aconselho a assistir à seguinte entrevista:

 

publicado por Virgilio Alves às 16:53 | comentar | favorito
30
Mar 12

Comunismo no séc. XXI


A guerra das ideologias diz-se que terminou aquando do fim da guerra fria e a derradeira luta entre o socialismo e o capitalismo teve o seu período áureo no pós guerra, durante a guerra fria o mundo assistiu a um equilíbrio pelo terror, ao temor de uma Terceira Guerra Mundial que seria nuclear, ainda mais catastrófica e mortífera que as suas predecessoras, que oporia a esfera soviética com a esfera norte-americana com consequências muito mais graves, onde, uma vez mais, a Europa seria um dos palcos de maior risco e que deste feita os alvos seriam as capitais destas esferas, Moscovo e Washington, seria a "guerra mundial" mais amplamente mundial que houvera existido. Esteve muitas vezes perto, mas felizmente não aconteceu.

 

 

 

Ler + )

 

publicado por Virgilio Alves às 16:53 | comentar | favorito
26
Fev 12

O Carnaval ou a falta de reformas

Apesar de ser motivo de muito debate, o paralelismo entre não decretar tolerância de ponto no passado Domingo Gordo de Carnaval por força da coerência com o discurso oficial do Governo da República sobre a diminuição dos feriados e respectivas pontes e o facto de que não decreta-lo significa somar mais uma aparente abolição de feriado aos dois já abolidos e, digo aparente já que a Terça-feira de Carnaval não tipifica um feriado, mas tradicionalmente um dia de folia autorizada pelo Estado que em termos práticos equivale e um feriado, o paralelismo existe na forma como o Estado pretende fazer aumentar a produtividade no seio da sociedade Portuguesa donde, por um lado em termos rigidamente lineares quanto mais dias de trabalho efectivo, maior será o resultado produzido pelos mesmos custos do factor trabalho, por outro lado, de forma puramente social, a abolição de um dia de descarga emocional e de sátira social e política representa um avolumar da falta de bem-estar emotivo que obviamente reduz a eficiência do trabalho.

 

Ler + )

 

publicado por Thomar Vrbe às 13:02 | comentar | favorito
tags:
11
Dez 11

Hegemonia alemã ou o fim da União Europeia

Sobre o que Nigel Farage presidente do UKIP - United Kingdom Independence Party, um homem e partido da Direita Eurocéptica, que  do que diz sobre outros também se lhe pode apontar, porém não é o assunto em destaque neste artigo.

O destaque vai para a sua intervanção no Parlamento Europeu e sobre as acusações aí proferidas e, disponibilizadas no Youtube que seguidamente aqui reproduzo:

 


Esta ambiente político e de crispação que se tem vindo a sentir no seio dos países da UE, não é de todo despropositado, à derrcada so sistema económico, segue-se a derrocada do sistema financeiro, em marcha digas-se de passagem e, por fim, a iminente derrocada do sistema social e democrático, muito bem aproveitados por partidos como UKIP populistas e de direita, muitos dos quais contribuintes da hecatombe que se dizem denunciar, mas, a par dessa dicotomia inversam, há, por mais que tentemos negar, um fundo de verdade, embora porém, devemos saber admitir como também não emploar estes partidos pretenciosos a fingir não srem co-responsáveis.

 

 

Ler + )

 

publicado por Virgilio Alves às 15:07 | comentar | favorito
tags:
24
Out 11

O dogma do risco do capitalismo

Desde a revolução industrial, iniciada durante o século XVIII em Inglaterra, que o principal sistema económico da idade moderna tem vindo a ser desenvolvido com base no dogmatismo pragmático do risco económico e na orientação prática em torno do binómio risco-rentabilidade, donde quanto maior for o risco maior a rentabilidade e, por consequência, maior a probabilidade de falhanço do investimento inicial. Este princípio está intrinsecamente ligado à convenção de que a remuneração do capital está intimamente ligada ao coeficiente de risco da opção tomada, por conseguinte a prática generalizada é a de que quem tem mais capital estará mais predisposto a correr riscos financeiros e aqueles que não o possuem estão confinados à baixa rentabilidade. Isto porém em termos excessivamente académicos e que não levam em conta factores de ordem ética, social e política.

 

Ler + )

 

publicado por Virgilio Alves às 23:53 | comentar | favorito
tags:

Mundo pós Khadaffi

Publicaram-se nos dias que procederam à morte do antigo ditador líbio centenas de artigos contendo as fotografias e os vídeos do momento da captura de Muhammar Khadaffi, tão somente isso interessa aos cobiçosos olhos do público em geral, ver um antigo líder na rua da amargura. É que essas imagens, desprovidas de matéria noticiosa ou debate de qualidade, são um chamariz para as audiências e a maioria dos espectadores dos telejornais o que quer ver é isso mesmo, a imagem de um homem morto ou melhor ainda no momento da morte. Ainda ninguém se predispôs a debater os efeitos na política internacional, nos movimentos revolucionários do próximo oriente e o efeito que terá na intimidação dos ainda existentes regimes ditatoriais espalhados um pouco pelo mundo.

 

Ler + )
publicado por Virgilio Alves às 00:38 | comentar | ver comentários (1) | favorito
tags:
20
Out 11

Æneidos Liber Primus - Virgilius (Excerto)

Arma virumque cano, Troiae qui primus ab oris Italiam, fato profugus, Laviniaque venit litora, multum ille et terris iactatus et alto vi superum saevae memorem Iunonis ob iram; multa quoque et bello passus, dum conderet urbem, inferretque deos Latio, genus unde Latinum, Albanique patres, atque altae moenia Romae.

 

Musa, mihi causas memora, quo numine laeso, quidve dolens, regina deum tot volvere casus insignem pietate virum, tot adire labores impulerit. Tantaene animis caelestibus irae?

 

Urbs antiqua fuit, Tyrii tenuere coloni, Karthago, Italiam contra Tiberinaque longe ostia, dives opum studiisque asperrima belli; quam Iuno fertur terris magis omnibus unamposthabita coluisse Samo; hic illius arma, hic currus fuit; hoc regnum dea gentibus esse, si qua fata sinant, iam tum tenditque fovetque. Progeniem sed enim Troiano a sanguine duci audierat, Tyrias olim quae verteret arces; hinc populum late regem belloque superbum venturum excidio Libyae: sic volvere Parcas. Id metuens, veterisque memor Saturnia belli, prima quod ad Troiam pro caris gesserat Argis — necdum etiam causae irarum saevique doloresexciderant animo: manet alta mente repostum iudicium Paridis spretaeque iniuria formae, et genus invisum, et rapti Ganymedis honores. His accensa super, iactatos aequore toto Troas, reliquias Danaum atque immitis Achilli, arcebat longe Latio, multosque per annos errabant, acti fatis, maria omnia circum. Tantae molis erat Romanam condere gentem!

publicado por Thomar Vrbe às 22:42 | comentar | favorito